Meus amigos namorada

Se você fica feliz apenas quando está com o seu namorado, ou namorada, e sente um vazio quando não está próximo, isso é um sinal de alerta. 5- Excesso de cobranças Kakigori Studio/Shutterstock Tenho 29 anos, sou lésbica, tenho uma namorada maravilhosa, de 2 anos e meio de namoro, ela tem muitos amigos, eu não tenho nenhum achei que tinha um mais quando me hospitalizei ele não teve coragem de me visitar, larguei ele para la porque isso para mim não e amizade, ele me procurou algumas vezes mais eu não quis mais a amizade nem aproximação, depois disso me sinto muito sozinha ... Frases e pensamentos de Amigos que não Gostam da sua Namorada. Frases, mensagens, textos e poemas Amigos que não Gostam da sua Namorada no Pensador (página 18) Tem coisas que só quem tá fora do relacionamento consegue perceber, não é? E isso significa que seus amigos nao gostam da sua namorada? Será? Vamos debater! O episódio: O podcast lança episódios novos todas as segundas e quintas-feiras! ;] Este conteúdo e o podcast Vida de Solteiro é um oferecimento da Audace Motel! Ir às duas da manhã à casa de um dos meus melhores amigos ou ir às duas da manhã à casa de um dos meus melhores unicamente para conhecer a nova namorada dele? O que seria o mais absurdo? O mais absurdo foi eu ter vestido uma camisa, pegado o meu chaveiro, fechado a porta, orando para que nenhum assaltante surgisse no meu caminho, dobrado ... Meus amigos não me contam mais nada e nem confiam em mim. Meu namorado não está nem aí para parece que viramos amigos. tenho 16 anos e nao tenho namorada e amigos. Etiquetas. não tenho amigos. Facebook Twitter WhatsApp. 0 0 votar. Avaliar Desabafo. 9 Comentários. Inline Feedbacks. View all comments. MORFEU. Olá, meninas! Estou estreando com meu blog, o “Relatos de Uma Lésbica Incubada”. Acredito que a maioria de vocês saiba o que significa uma “Lésbica Incubada”. Mas, se você é tão incubada que nem sabe o que é isso, vou tentar explicar a expressão através da opinião dos meus amigos, da minha namorada, e a minha. Namoradinha putinha deu pros meus melhores amigos. Ola me chamo Bernardo e tenho 17 anos e minha namorada se chama Renata também com 17 anos. Renata é baixinha, mais ou menos 1.55 de altura e bem gostosinha. Cabelos castanhos, olhos cor de mel clarinho e bem branquinha, tem a bundinha arrebitadinha, os peitinhos médios com os biquinhos bem salientes e uma bucetinha perfeita toda depiladinha. A minha namorada e meus amigos mais antigos são as únicas pessoas que eu consigo ter um conversa em que me sinto normal, me sinto confortável e me sinto fazer parte. Mas minha família, principalmente meus pais, não gostarem dela me mata. E saber que boa parte das interações deles é falsa ou fingimento me dói muito. Procura apelidos carinhosos e fofos para colocar em amigos, namorado ou ficante?Então não precisa procurar mais 🙂 ! Preparei uma lista com alcunhas super meigas e carinhosas para apelidar algumas das pessoas mais importantes da sua vida, sejam do sexo masculino ou feminino.

Eu me sinto estranho, eu sou estranho pra caralho

2020.10.20 03:53 Control-Much Eu me sinto estranho, eu sou estranho pra caralho

Geralmente eu não sou um cara de pedir auto-ajuda, sinceramente esse é meu primeiro post aqui no Reddit, (acredito que já lurkei o suficiente) a real é que eu fui abusado pela amante do meu pai bem novo. (ela tinha 24 e eu tinha 8) isso se perpétuo até meus 13 eu acho com isso a infame desgraçada além de enfiar o dedo no meu rabo conseguiu me transformar em um garoto bem introvertido e quieto, logo, um punheteiro bem novo ela conseguiu me “depravar” bem novo fazendo eu me tornar uma batata social que vivia em função de realizar os desejos pedófilos dela, na real é que eu me sinto culpado por gostar disso além dela ser amante do meu pai e morar na minha casa como se fosse filha da minha mãe (ela simplesmente agiu como santa para ser acolhida pela minha mãe, a mesma tratava ela como minha irmã) logo isso me fez desenvolver vários problemas como fobia social e problemas de insônia pós ela fazia questão de me “felar” a noite assim quando bem entendia, eu geralmente falava não e que ela não podia fazer aquilo comigo então ela tampava minha boca com a mão e continuava.
A longo prazo isso me ferrou de diversas formas tanto nos meus relacionamentos, quanto na vida social e profissional. Além deu ter ereções aleatórias, isso não parou nem depois da puberdade. Eu sou um viciado em pornografia e sexualizo coisas simplesmente não saudáveis, claramente minha mente se tornou perturbada depois daquilo, mas eu nunca desenvolvi um quandro mais sério quando eu era novo, não comparando do que eu desenvolvi uns anos para cá.
Bom, assim que eu cheguei nos 14 e arrumei minha primeira namorada é que eu tive uma epifania, a primeira é que minha vó é uma arrombada (ela simplesmente impatou a minha primeira foda porque minha mãe pos ela de babá para não deixar eu meter o boneco na menina, depois que minha vó expulsou ela da minha casa logo depois essa garota terminou comigo) a segunda é que minha vida não tinha muito sentido as pessoas me usavam para ter o que elas queriam seja prazer momentâneo, objetos, serviços ou apóio moral e logo depois me descartam como um trapo velho, isso tudo veio junto com a morte do meu tio com 42 facadas na barriga, querendo ou não meu tio além de um grande cheirador de coca, era um dos meus melhores amigos (Ele me mostrou jogos online, lan houses, amigos, e cuidava de mim verdadeiramente sem pedir nada em troca além de um dinheiro para ele comprar um saquinho da fininha as vezes) Ele simplesmente curou minha fobia social e fez eu ter a infância que eu tinha perdido por ser um escravo sexual sem amigos de uma deposito imunda que nunca se importou comigo.
Assim que ele morreu meu mundo desabou foi a primeira experiência com a morte que eu tive, logo de alguém tão próximo, isso me quebrou de diversas formas.
Com isso veio a inevitável depressão eu literalmente só existia para um propósito merda, eu comecei a fumar cigarro para passar a ansiedade bem novo com 15 eu já fumava os “diversos” aquilo me trazia a sensação de leveza, mesmo que fosse uma paz momentânea, era como se meu cérebro parasse de “autistar” (eu sou hiperativo) mesmo eu queimando cada sinapse cerebral que eu tinha, aquele amargo na boca me deixava calmo.
Meu vício e depressão perduraram até um webnamoro merda que eu tive em que eu acreditava que era a “garota perfeita” pura ilusão de um emocionado eu realmente pensei que eu poderia vê-la, ter uma família com ela, conseguir consertar as merdas que eu fiz para mim mesmo e começar a amar o falo ambulante que as pessoas acham que eu sou, eu simplesmente dei tudo para ela e durante os primeiros 7 meses foi tudo ok, era muito amor e muita consideração minha, pois eu sou um cara muito “good guy”, ela tinha uma depressão bem forte por conta do pai abusivo e da mãe ausente (o pai dela é pastor e espanca os filhos, fica bêbado, vive na degeneração, bolsominion) esses pontos que geraram uma “femcel” esquerdista e bissexual.
Ela era fofa, eu achava que estava apaixonado, mas como todos os meus namoros ela só meu usou porque não tinha nada melhor. E me trocou por um ex paulista “femboy” que exigia nudes dela e a travata como lixo, simplesmente eu me sentia muito culpado, pois eu tinha me iludido em algo que claramente não tinha futuro, mas eu sou extremamente carente então o melhor encantamento para me levar no bolso é dizer que me ama, independentemente da circunstância, literalmente ela dizia coisas para eu me sentir horrível comigo mesmo e logo depois dizia que me amava, eu me sentia abraçando um cactu mesmo que não fosse de “verdade” era a primeira vez que alguém falava que me amava, eu entrei em pânico, mesmo eu sabendo cada segundo que aquilo não era o certo a se fazer e eu estava regredindo.
Querendo ou não ela me ajudou a superar uma fase da minha vida, mas eu nunca parei de me sentir um objeto. Na real eu ainda tive mais certezas disso eu simplesmente sou um dildo de plástico que estou na gaveta para quando elas não têm ninguém. (não eu não me considero bonito, longe disso eu to mais para brasileiro morador de periferia padrão)
Logo depois disso eu quis adiar o problema e começar a sair mais com meus colegas e meu primo começou a morar aqui por volta de 3 meses foi tudo tranquilo até que fomos num “hokah” (buteco adolescente) nós juntamos lá, eu comecei a beber até que perdi a inibição e comecei a ir em toda mulher que eu via pela frente igual um macaco, a primeira me achou simpático e me puxou pro canto quando tudo já ia dar certo um colega me barrou dizendo que ela já tinha “dono”, eu ri e meti um “a gente divide, né pae” meu colega riu muito, por ele conhecer ela a mais tempo eu decidi não “profita-la”, mesmo com ele não conseguindo pegar ela depois, por pura consideração pelo cara, eu fui em outras 6 depois dessa e tomei fora de todas e ganhei um apelido de 7.
Na real é que as garotas agora me viam como uma piada que está lá para quando inflar o ego delas para quando elas precisam, tradução literal: “esquento para um babaca com grana comer”. Esse foi um dos momentos mais WTF possíveis na minha vida se não fosse a briga com meu primo que rolou depois. Ele ouviu o que eu tinha comentado com o meu colega e como as pessoas gostam de me oprimir inventaram uma história vergonhosa sobre meus foras para parecer herói na frente no irmão do meu melhor amigo, e como o resto dos meus amigos de infância babam o ovo do meu primo eles literalmente concordaram com ele criando 3 histórias diferentes do ocorrido literalmente forçando que eles eram “os heróis que salvaram o pequeno betinha de ser cobrado na saida do butequinho”, além do meu primo viver se achando o bonzão ele era um gigolô da porra em casa e só aproveitava não dando uma foda para minha mãe, sendo que ela fazia das tripas coração pro arrombado ele nunca tratou ela do jeito que ela merecia, eu cobrei a mentira que ele inventou e simplesmente fui contra toda a minha rodinha de amigos sendo fraco e falho.
Eu não deixei ele falar toda aquela merda sem ter penalidades, mesmo implorando para ele parar de falar e párarmos de discutir, ele veio para cima eu dei um no queixo e na orelha.
Foi o suficiente para deixá-lo katinguelê, então ele me ameaçou de pegar uma faca para mim, então eu quebrei uma bacia de vidro e com a mão e com os cacos sagrando na minha mão eu falei “tu meu irmão, que viveu a vida toda comigo, vai me furar, na nossa casa, com a nossa família aqui, NA MINHA CASA?”. Além de jogar umas coisas na cara dele porque ele merecia.
Foi o suficiente para minha mãe expulsar ele de casa, meus amigos acharam que eu armei para ele e a pessoa que literalmente passou 16 anos da vida ao meu lado meu melhor amigo chupou o ovo do meu primo, vendo tudo que ele diz como verdade absoluta.
Mais cedo ou mais tarde íamos brigar eu acabei de brigar com outra pessoa que viveu a vida toda ao meu lado, isso para mim, é frustrante porque literalmente eu sou dependente de toda emoção positiva que as pessoas têm por mim, ele usou o argumento que eu sou “mimado” por não ter nada da forma que eu quero, mesmo eu saindo errado em tudo quase sempre. Esse argumento ele valida falando que “eu tive tudo na vida agora não aguento perder”, eu esqueci de falar que a amante do meu pai antes de ser pega pela minha mãe roubou todo o dinheiro do meu pai e sumiu do mapa.
Meu pai trabalha no comércio então com a crise, inflação, copa do mundo, carnaval e covid. A gente sempre passa um aperto aqui e alí.
Eu simplesmente sou muito sensível a essa merda eu não sei porque esse padrão aleatório de merda me segue e eu não consigo ser feliz, ou do porque eu me importar com isso.
¹Edit: eu comecei a gostar de trans então a tampa do bueiro leva ao esgoto, por isso eu to aqui. ²Edit: eu me sinto sozinho e vulnerável ³Edit: eu sinto que a minha solução seria uma pessoa que sofreu tanto quanto eu para me entender verdadeiramente. ⁴Edit: esse post é frescurento para um caralho, pois eu sou horrível contando algo então essa merda parece pura frescura, mas foi traumático cada segundo ⁵Edit: apanhei para caralho na escola quando era muleque por ser esquisito ⁶Edit: minha irmã não me suportar e tentou me matar usando um iPhone 6 plus, ela quebrou ele na minha cabeça 8 (pontos). ⁷Edit: tentei me matar usando cabo de extensão no box do banheiro e pulando de uma cachoeira.
⁸Edit: é minha primeira vez sendo op aqui, não tenho muito experiência.
Also, acho que embananei essa porra para caralho e não cheguei em lugar nenhum, mas eu precisava de um lugar para postar essa merda sem polimentos com esses pensamentos abstratos antes que eu comece a chorar pelo quão random essa merda de vida é.
submitted by Control-Much to desabafos [link] [comments]


2020.10.19 23:45 spidertb96 Queria dar um fim nisso!!

Muito difícil não pensar em suicídio na minha condição. Quase 25 anos e completamente dependente dos pais, não saio de casa, fobia social extrema e depressão crônica. Vivo assim desde os 15.
As pessoas são tão egoístas q querem te obrigar a ficar aqui sofrendo, para q eles não fiquem tristes por uns meses (dependendo do parente só uns dias)
Não aguento mais viver assim, vejo pessoas da minha idade andando na rua normalmente com seus amigos, namoradas,dando risadas, trabalhando, estudando e curtindo a vida.
Escuto as histórias dos meus pais de quando eram jovens, a vida deles era infinitamente mais animada q a minha.
Eu vivo dentro da minha casa igual a um louco, ataques de ansiedade, ficando velho, oscilando entre dias ruins e terriveis, me segurando numa corda bamba para não me matar.
Não tenho dinheiro para me tratar, meu caso é extremamente grave e meu cérebro tá todo fudido em um nível inreversivel.
Nada q falam me ajuda de verdade, sei oq eu teria de fazer, mas n tenho mais saúde p tentar.
Só um desabafo msm...
submitted by spidertb96 to desabafos [link] [comments]


2020.10.19 02:04 aline1234369 Não estou bem!

Provavelmente esse desabafo vai ser ignorado, porém eu estou muito mal e preciso desabar e não tenho ninguém com quem contar. Pois não tenho amigos e minha relação com os meus pais nunca existiu.
Eu sempre fui uma menina sozinha, sofri bastante na infância, e nunca fui acostumada com isso que acabou me gerando problemas psicológicos como ansiedade, depressão e transtorno obsessivo - compulsivo TD isso mudou bastante quando eu interagia com pessoas tanto virtualmente quanto pessoalmente, eu esquecia dos meus problemas, me sentia mais leve. Finalmente eu achava que tudo de ruim tinha passado, que eu poderia ter uma vida normal como todos.
Até comecei a namorar uma pessoa que foi maravilhosa pra mim no começo de tudo que me ajudou a superar muitos problemas que eu tinha, me mostrou coisas novas, me apresentou um mundo diferente do meu, mas que no final da relação trouxe eles todos meus problemas de volta de volta. Meus pais não eram a favor da relação e eu fui contra eles pois amava aquele cara e ainda amo. Minha relação com ele durou 2 anos, e foi meu primeiro namorado.
E a mais o menos 11 meses, ele começou a ficar estranho comigo, me deixava no vácuo, brigava de mais a quase a todo momento. Eu achava que ele estava passando por um momento difícil como todos achavam então dei todo apoio que ele precisava, sempre estive com ele nos momentos ruins, sempre que algo de ruim o acomtecia eu corria pra ir velo, mesmo morando longe, tentava animalo o máximo possível. Até de um tempo pra cá eu começar a ficar mal e ele não gostar.
Nós vivíamos nos encontrando e saindo juntos e sempre parecia que estava tudo bem. Mas do nada ele Terminou comigo a mais o menos 4 dias atrás, e falou todos defeitos que eu tinha, e era por essa a razão de estarmos terminado, disse que eu nunca fiz nada por ele e eu era muito problemática, chata e ignorante, por ser tímida. Como se não bastasse disse que não me amava faz tempo e ele só estava comigo pra vê se acontecia alguma coisa e como não aconteceu. Ele me acabou comigo por mensagem, isso mesmo levei o maior fora do mundo pelo whatsapp e na visão dele o término era por eu ser essa pessoa desinteressante, tentou de todas as maneiras colocar nosso término como se fosse culpa minha. E que se eu continuar dessa maneira vou acabar sozinha pq ninguém alguém gente desse tipo. Pois ele queria uma namorada feliz que se divertisse com ele e saísse durante a noite com ele. E eu não era isso, por ficar uma semana mal eu já não era boa o suficiente mais e não servia.
Todo esse tempo eu pensava que estávamos mais felizes do que tudo mas era tudo mentira ele só estava fingindo e me usando até que ele cansou de tanto trabalho e me chutou pelo whatsapp......
Eu sinceramente estou muito abalada, comecei a ter mais crises de ansiedade lembrando tudo o que ele me disse pensando se realmente a culpa foi minha e pensando que em todo esse tempo eu só tava sendo iludida. Não consigo dormir direito, não consigo sair da cama e muito menos comer alguma coisa o que eu como não desce cada dia tem sido pior enfrentar tudo isso sozinha.
submitted by aline1234369 to desabafos [link] [comments]


2020.10.17 23:20 notallive eu sou o melhor amigo e isso é doloroso.

muito-longo-n-li: melhores amigos são cornos por tabela?
Vou contar duas histórias sobre minhas melhores amigas, vamos chama-las de Dannete e Chandelle. conheço ambas a 4 anos, mas primeiro, Dannete: em 2016, lá de volta no ensino médio, eu vi uma moça solitária no intervalo, e sem motivo algum eu ofereci um abraço a ela, que aceitou. Desde então, Dannete e eu nos consideramos melhores amigos, e nesses anos ela foi certamente uma das razões de eu não ter me enforcado ou algo assim. mas sempre fui afim de Dannete, tão cremoso, sabe? e ela sempre soube, fiz questão de que soubesse. mas eu sou o melhor amigo e só, e de acordo com ela, sou mais do que qualquer namorado ou namorada que ela possa ter. ok, deixa eu sentar aqui na minha zona de conforto e contar sobre Chandelle agora. Conheci Chandelle antes mesmo de conhecer Dannete, a gente pegava o ônibus junto e tal. Só me aproximei mesmo dela esse ano, agora que ela mora a duas ruas de mim. quase todo dia ela aparece em casa, joga no meu videogame, fuma da minha maconha, faz carinho na minha gata, e, é, com essa situação toda eu me peguei gostando dela. sempre que eu tentava algo ela retribuía, mas sempre que eu perguntava se ela queria algo ou se queria mais, ela jogava a decisão pra mim. Afirmei que gostava dela, e soltei a maldita sentença "se tu acha que eu não deveria mais te beijar nem tentar nada romantico contigo me avisa, que eu desisto." Chandelle prosseguiu com um discurso sobre como eu tenho que lutar pelo que quero e que n posso aceitar menos do que mereço e devo mergulhar de cabeça nos riscos e tal e tal. ok. no caminho pra casa dela, antes de me dar um abraço e se despedir, ela olhou nos meus olhos e disse pra que eu desistisse, pois era o melhor amigo dela, e isso era mais do que qualquer namorado poderia ser. ok. ser o melhor amigo é doloroso.
n quis ofender ngm
submitted by notallive to desabafos [link] [comments]


2020.10.16 22:23 Creative_Oven_6350 Estou na minha segunda formação e há quase três anos procurando emprego. Não consigo nada. A frustração está acabando comigo há muito tempo.

Bem, antes de começar, essa conta é uma throwaway, já que pessoas próximas podem ver o post.
A questão é a seguinte: logo que saí do Ensino Médio, consegui entrar em uma universidade federal. Na época eu tinha algumas ideias do que queria fazer para a vida e decidi arriscar na que me parecia mais legal. Não me entendam mal, não é que eu me arrependa de minha escolha, honestamente se não fosse por ela eu não acho que seria a pessoa que sou hoje e não conheceria minha namorada (com quem tenho um relacionamento há 5 anos).
Para ser mais específico, eu entrei em Licenciatura e Bacharelado em História, na UFPR. Eu realmente gostei do curso. História sempre foi uma área que me fascinou e durante a formação pendi cada vez mais para a pesquisa. No entanto, claro que na metade da graduação percebi a falta de perspectivas de pesquisas nessa área no Brasil e comecei a pensar em alternativas de onde trabalhar.
Sempre gostei de dar aula, apesar de nunca querer ser professor do Estado. Então entrar em PSS não era uma opção. Antes da minha primeira graduação, durante e até um tempo depois, sempre trabalhei informalmente em negócios da família. Fui assistente administrativo no escritório de contabilidade dos meus pais. Ajudei na pequena gráfica digital que meu tio tinha, tanto no balcão quanto no setor de compras. Esses trabalhos me ensinaram muitas coisas e me deram muitas habilidades diferentes. Sempre sou elogiado por ser comunicativo, tenho habilidades avançadas no pacote Office completo, aprendi a mexer em estoque, arquivo, realizar trabalhos braçais etc.
Só que em certo momento percebi que precisava de um trabalho formal. Algo que estivesse registrado em minha carteira de trabalho. Aqui entra outra coisa que gosto muito: idiomas. Desde cedo sempre estudei outras línguas por conta própria. Sempre foi um hobbie meu. Me tornei fluente em inglês, consigo conversar em francês e japonês e tenho certo conhecimentos de espanhol e LIBRAS. Aproveitando essas minhas habilidades, consegui me tornar professor de inglês.
Mas a ideia de virar professor de inglês nunca me foi permanente. A falta de perspectiva de uma carreira nunca fez com que eu quisesse ser professor. Pesquisador sempre tive vontade. Por outro lado, vejo amigos meus com 30, 35 anos fazendo doutorado, pesquisas maravilhosas, mas precisando arrumar outros empregos para se manter e ganhar mais ou menos mil reais por mês. Não é uma vida que quero ter.
Estou com 23 anos no momento. Quando estava com 20, decidi que iria para outra área que sempre tive muito interesse: a parte comercial. Sempre fui bem com números. Não só enquanto trabalhava no escritório de contabilidade de meu pai, mas também participei e "ganhei" algumas Olímpiadas de Matemática enquanto estava na escola. A área administrativa também era interessante. Então pensei bastante e cheguei a conclusão que se conseguisse algo na área de Relações Internacionais ou Comércio Exterior, teria a carreira que sempre quis.
Isso se deu por volta do início de 2018. Achar estágio na área de História (em museus e coisas do tipo) nunca deu certo, tanto pela falta de vagas quanto pela carga horária diária do meu curso que nunca batia com o que eu achava. Consequentemente, fui procurar estágios e empregos em Relações Internacionais e Comércio Exterior. Assim se deu o meu ano de 2018. Obviamente, sem nenhum resultado.
Eu mandava todo mês meu currículo para inúmeras vagas. Nunca recebi uma única resposta. Tudo bem. Bola pra frente. 2019 chegou e eu me formei na metade do ano. Mais 6 meses sem nenhuma resposta. Nesta época, eu já enviava o currículo semanalmente. Queria alguma oportunidade em RI ou Comex. Eu achei que História era um curso similar o suficiente. Pelo jeito, as empresas não concordavam.
Depois de minha formatura, há quase um ano e meio procurando, decidi investir em concursos públicos. Talvez eu conseguisse uma área no setor comercial ou administrativo do Estado. Não seria um problema se eu pudesse migrar posteriormente. Prestei vários concursos que fiquei três ou quatro vagas abaixo da linha de corte. A frustração era grande, mas eu continuava.
Enquanto isso, precisava me sustentar. Portanto, permaneci dando aulas de inglês. Não posso negar, sou bom nisso. Não muito bom, mas o suficiente para receber elogios esporádicos tanto de alunos quanto colegas. Quem sabe se em algum momento eu me dedicasse à área pedagógica, pudesse crescer e construir uma carreira ali.
Porém, eu sabia que investir na área pedagógica me afastaria completamente de RI e Comex. Então nunca fiz isso ou fui para esse lado. Em certo momento de 2019, passei no edital do IBGE para o Censo 2020. Meu nome foi homologado no Diário Oficial da União. Eu estava dentro. Tinha conseguido algo diferente, além de dar aula. A frustração parecia ter acabado. Só precisava esperar março de 2020 para ser chamado. Minha namorada chorou de felicidade por mim. Eu também estava transbordando por dentro.
Aí aconteceu que... a pandemia. Todos sabem. A verba do Censo 2020 foi cortada completamente nesse ano e transferida para o segundo semestre de 2021, isso se não for postergada mais uma vez. Depois, descobri que o concurso que tinha passado era PSS e mesmo eu estando dentro, não significava que seria chamado. Nisso já era metade do primeiro semestre de 2020 e eu também não havia parado de mandar currículo para RI e Comex. Se eu conseguisse um emprego nessa área, não ficaria no IBGE (pois o cargo era temporário de apenas um ano).
Extremamente frustrado, depois de muitas e muitas (e muitas) crises de raiva, tristeza e angústia, decidi investir em alguma coisa que fosse mudar tudo. Comecei uma segunda graduação. Moro em Curitiba e diante das possibilidades de cursos que poderia fazer nessa área, optei pela que me pareceu melhor: Comércio Exterior.
Minhas aulas começaram em julho desse ano. Desde o mês sete, tenho uma única rotina: todo dia da semana eu acordo, vasculho a internet, sites especializados, grupos de WhatsApp e Telegram, em busca de empregos para a área comercial, administrativa, financeira ou até logística. Existem muitas coisas em cada um desses setores com as quais eu adoraria trabalhar. Todo dia, literalmente todo dia mesmo, eu me inscrevo em média de uma até três vagas - tipo, todo dia.
Desde julho, sou rejeitado em umas 30/40 vagas mensalmente. Entrar em uma segunda graduação de Comércio Exterior realmente ajudou: agora sou chamado para entrevistas e provas. No entanto, sempre que me perguntam se eu faço alguma coisa, se ainda trabalho, digo que tenho o trabalho temporário de instrutor de línguas. Algo que quero largar assim que conseguir outro trabalho na área que quero, ou seja, na área para a qual estou me inscrevendo.
Só que é sempre nessa parte, é sempre nesse momento que vejo claramente que sou colocado de lado. Ninguém quer contratar alguém que precisou trabalhar como professor. Algo pedagógico, muito diferente do mundo comercial. Sempre elogiam minha curiosidade por línguas, acham legal meu contato com setores administrativos e financeiros no passado, mas por terem sido trabalhos informais, ninguém se importa. Sim, estou frustrado.
Dia após dia recebo e-mails falando que não foi dessa vez. Isso quando os recebo. A maior parte das inscrições por e-mail não são respondidas. As que realizo por sites diversos, estão marcadas 90% como "Rejeitado por falta de experiência". Todos estágios. É sério. Tenho mais de 40 vagas de estágio rejeitadas por "falta de experiência". Repito novamente porque estou frustrado: estágios.
Eu não consigo um único estágio. Em nenhuma área. Todo dia sou recusado. Não importa se é RI. Setor de compras. Setor administrativo. Setor financeiro. Setor de logística. Só preciso desse primeiro emprego na área. Aposto que os demais vão vir muito mais facilmente (porque mais difícil não tem como existir).
E receber constantemente, apesar do esforço diário de mandar currículos, atualizar informações em sites (sim, tenho perfil em LinkedIn e mais outros diversos sites de emprego), apenas me lembra do meu fracasso. Não tenho perspectivas nenhuma de que vou conseguir. Nenhuma perspectiva que vou mostrar para alguém quão esforçado posso ser. Quão dedicado. Eu só preciso de uma chance para a primeira oportunidade.
Estou nessa há 3 anos. Acumulo quase 100 rejeições totais desde que comecei minha segunda graduação. Cada vez me empenho mais para tentar. Cada vez tenho menos vontade e fico pior. Menos motivado. Antes que alguém fale alguma coisa (se alguém aguentou ler esse textão de desabafo até aqui), estou sempre verificando meu currículo: como apresentar informações, tirando, colocando coisas. Já contratei profissionais de currículos que analisaram e mudaram algumas coisas. Já apresentei pra muitos profissionais colegas e da família que deram algumas sugestões e elogiaram outras coisas. É algo que estou sempre tentando melhorar, mais e mais.
Pra encerrar, existe um fator nisso tudo que aumenta ainda mais a frustração comigo mesmo, a frustração com todo esse cenário. Minha namorada trabalha na área de tecnologia. Em 2019, decidiu arranjar um estágio. Se inscreveu para três e conseguiu um deles. Agora em 2020 decidiu ir para outro, se inscreveu em uma única vaga e foi aprovada. Não tenho raiva nem dela. O que mais me afeta é a diferença da facilidade de conseguir emprego em uma área comparada à outra. Ela é minha namorada. Amo ela e estou feliz que ao menos um de nós está tendo conquistas dessa área. Mas não consigo deixar de ficar pior, o problema sou eu? Nunca vou conseguir uma vaga simplesmente por causa da minha primeira formação? Porque precisei dar aulas para me sustentar? O problema é algum outro?
Enfim, esse é o meu desabafo. Desculpem pelo tamanho do texto e obrigado se alguém chegou até aqui.
submitted by Creative_Oven_6350 to desabafos [link] [comments]


2020.10.16 15:46 eshiihihi Eu apenas sirvo para alívio cômico.

Esse ano eu encontrei muitas pessoas interessantes, fiz muitos amigos e também tive alguns rolos. Entrando mais no assunto desses "rolos", no início do ano eu conheci um garoto (vamos chamá-lo de "A"), ele era muito legal, gostava de quase tudo que eu gostava e conversávamos todo dia, até que ele começou a flertar comigo e eu me apaixonei. Em junho, ele se afastou de mim, mas eu ainda tentei conversar com ele e em Julho acabei me confessando, ele disse que não sentia nada por mim. Depois rolou várias tretas que eu tive com ele, e em uma dessas ele disse que só era "romântico" comigo porque outras garotas fizeram o mesmo com ele. E desde então, eu não falo com ele desde o início de Agosto porque eu escolhi (eu tinha crises de ansiedade só por lembrar dele). Nesse meio tempo que eu falava com esse garoto, eu conheci uma garota (vamos chamar de "M") muito legal, e lá por junho, que foi quando eu 'tava afastado do "A". Nós começamos a flertar e paramos em Agosto, até que em Setembro, eu e a "M" voltamos a conversar e flertar. Ela dizia coisas como que estava apaixonada, etc, e ela dizia coisas do tipo até ontem. Nós estávamos planejando nos encontrar e até nos beijar e fazer várias coisas juntos. Até que hoje, às 1 da manhã, ela me mandou uma mensagem dizendo que 'tava conversando com outra garota muito legal e que ela estava correspondendo seus sentimentos, também disse que iria parar de falar coisas românticas comigo por conta disso. Eu acabei de ler essa mensagem dela e eu tô quebrado. A gente tinha planejado várias coisas e ela até dizia que estava apaixonada. O mesmo pro "A", nós tínhamos planejados várias coisas e no final foi tudo por água abaixo. Por conta dessas duas coisas, eu sinto que sou apenas alívio cômico, alguém que só está lá para trazer uma felicidade momentânea e depois ser trocado, ser manipulado basicamente. Eu já 'tava super mal porque eu me afastei do "A", eu me senti usado e estou me sentindo assim de novo. É muito ruim você viver algo incrível por meses ou até anos com alguém e no final essa pessoa só largar tudo sem nem explicar o porquê. Eu sinto que só sou alguém pra saciar o fogo no cu que esses adolescentes têm até eles encontrarem alguém muito melhor, sem pensar duas vezes. Mas eu também sinto que isso seja o karma. Em 2018 eu fui muito cuzão com minhas ex-namoradas, terminei com elas sem motivo, apenas coisas bobas e cheguei a xingar elas sem motivo nenhum, por causa disso eu sinto que mereci toda essa merda que passei, meus amigos dizem que não, mas eu acho que sim. Enfim, agora eu tô muito mal e isso não vai passar tão rápido.
Edit.: Pra não ter que criar dois posts, eu vou desabafar mais aqui mesmo. Eu me sinto vazio, eu não sinto nenhum sentimento praticamente. Não sinto paixão, não sinto felicidade e nem tristeza, parece que só tem um lugar escuro dentro de mim, um buraco que ao invés de ser o meu coração, se tornou um lugar oco. Eu postei aqui também que me assumi trans pra minha mãe e a reação dela foi muito boa, mas eu não estou tão feliz, eu tô bem, mas eu tô neutro, mesmo que dizer que sou trans fosse algo que me libertasse totalmente, eu ainda me sinto vazio ou com algo que devo soltar pra fora e não consigo porque não sei o que é a coisa que devo soltar pra fora. A cada dia mais eu me sinto pior por existir. Eu tenho decepcionado meus amigos, tenho os deixado sozinhos mesmo eu não querendo. Muitas vezes eu acho que estou sendo presente e divertido, mas na verdade eu estou sendo irritante e nem um pouco presente. Sinto que eu estou desmanchando com o tempo, que eu não sirvo pra nada, só apareço ali e ninguém percebe. Eu acho que tô morrendo aos poucos, o mais engraçado é que um amigo meu me disse a mesma coisa. Sei lá, eu acho que tô pensando demais nisso e no final é algo muito simples. Eu penso demais e isso é uma merda, eu não sei controlar meus pensamentos ou me acostumar com isso. Minha mente é tão desengonçada com tudo, eu começo a imaginar situações que todos me deixam e isso me deixa paranóico. Eu escondo dos meus amigos que penso nessas coisas porque não quero preocupá-los (se vão se preocupar, né). Eu só sinto que quanto mais eu me disponho a ficar com alguém, mais parece que essa pessoa me abandona, é assim desde 2017.
submitted by eshiihihi to desabafos [link] [comments]


2020.10.16 08:29 joao_pedrinho hj é meu aniversário :)

Só isso msm, mas também tô triste pq uma menina desmarcou de sair cmg, nessa pandemia minha saúde mental foi pro ralo e ainda nao posso chamar meus amigos pra casa (todos aqui são do grupo de risco), não tenho namorada, não superei 100% ainda algumas coisas e pessoas, meu tcc está atrasado, e eu só não quero mais deixar meus pais tristes.
Então se quiserem deixar este mancebo um pouco mais esperançoso consigo mesmo, e, me dar os parabéns por estar cada vez mais perto da morte KKKK, agradeço e aceito abraços virtuais. ☺🎊🎊
Edit: apesar dos pesares, meu dia foi incrivelmente bom!!! acho que foi a energia positiva vindo de vocês, saí e joguei bastante com amigos, obrigado galera ❤❤❤
submitted by joao_pedrinho to desabafos [link] [comments]


2020.10.15 08:07 yupsalmeida Não sou eu

Esse ano me descobri trans, e fui muito bem aceita pelos meus amigos, mas, eu definitivamente n posso falar isso pros meus pais, visto que uma parte da minha família é extremamente conservadora e eu n me sentiria bem se eles soubessem. O problema disso tudo é que eu n posso ser quem eu quero na minha casa, queria usar vestidos, maquiagem, pintar meu cabelo de rosa, sla ficar muito linda e definitivamente não tem como falar com meus pais sobre isso, eles são até de boas mas nunca iriam me entender e provavelmente iriam falar pra minha família. Eu tava tentando sair de casa pra morar em outro estado e ser eu mesma la, estou estudando pra isso mas vez ou outra minha namorada fica muito mal com uns problemas e não consigo focar nos estudos. Enfim foda, tô triste
submitted by yupsalmeida to desabafos [link] [comments]


2020.10.15 06:09 GradeRevolutionary10 Tá tudo relativamente bem e continuo mau

A vida tá relativamente boa. Eu tenho menos de 16 anos e avancei dois anos do curso de inglês, tô falando um nível B2 indo para C1 e comecei a aprender latim pelo duolingo e tô gostando. Eu criei uma página de memes de história que pegou 1 mil followers em um mês mais ou menos.
Mas eu ainda me sinto meio.. angustiado. Eu não sei. eu me sinto assim desde os 12, e isso me afeta completamente. Eu não sinto muita vontade de comer a maior parte das comidas e eu não venho tendo animação pra fazer nem as coisas que eu gosto, e logo agora que eu tô estudando pra o exame do IF e a família tá puxando o meu saco por conta disso. Eu também sou MUITO esquecido e todo dia eu perco algo e sempre deixo luz acessa ou portas abertas, minha família diz que é por quê eu não quero prestar atenção ou porquê não me interesso por mudar, e agora eles brigam relativamente sério comigo por ter deixado uma porta aberta ou luz acessa. Eu não faço isso porquê quero. O argumento deles é que “se consegue aprender inglês sozinho, consegue se lembrar das coisas” — O fato é que eu notei que eu tô cada vez mais esquecido, e eu consigo me lembrar só de alguns dias do ano passado, por exemplo. Eu também tô agora mais angustiado pq to querendo aprender várias coisas que eu gosto (línguas, filosofia, história) ao mesmo tempo e acabo que eu fico indeciso e + aquela falta de animação, acaba que eu não movo uma palha o dia inteiro e tudo que eu quero mais é ficar deitado, e claro, eles me criticam por isso.
Eu tava até melhorando neste ano e até to melhor que ano passado, que foi o ano mais merda da minha vida. Eu tinha acabado de me mudar pra uma cidade nova e minha família começou a ter uns problemas financeiros, e meu padrasto ficou desempregado por 8 meses, e nesse espaço de tempo, ele começou a beber e aparecer embriagado no mínimo umas duas vzes por mês.
Um dia foi o ápice. Ele deixou eu e minha mãe na escola e na faculdade e foi beber, quando ele voltou pra me buscar na escola, um amigo dele tava dirigindo o carro e ele bêbado no assento do passageiro. Mais tarde iríamos saber que ele levou uma multa de 2 mil reais no carro novo que tínhamos comprado e subornou o policial com o dinheiro que íamos pagar a conta de luz para não apreender o carro, foi o que ele disse. Eu vi minha mãe ameaçar ele com uma faca pra ele ir embora, quase chamei a polícia. Fiquei muito assustado, não vou mentir.
Bom, nos mudamos daquela casa depois desse ano. Eles diminuíram as quantidades de brigas (brigavam quase todo dia antes) e meu tio passou pra faculdade desta cidade e veio morar com a gente. No início foi bom. Eles dividiam as contas e meu tio saia comigo comer fora e tal. Mas aí no início da pandemia foi o que deu: minha mãe tava com depressão profunda. Em partes por causa das brigas, em partes pelos problemas financeiros, e a faculdade que consome ela demais, presumo eu.
Bom, foi aí que deu. Meu tio e meu padrasto diziam que eu contribuía pra isso pq eu não ajudava em casa e não “facilitava a vida dela”. Isso me magoou muito. Com a pandemia, tudo ficou pela internet e resolvemos ir passar um tempo com nossos avós no interior. Lá eu melhorei um pouco, e foi relativamente bom. Mas cá estou de novo. Voltei a cidade que moramos e comecei a piorar de novo.
Desde o ano passado, minha mãe e meu padrasto entraram nessa coisa de terminarem o relacionamento e voltarem no outro dia. Ele trazia flores e tudo ficava bem. Aí esse ano, eles brigaram feio e finalmente terminaram, eles ainda se falam porquê ele tá pagando aquela multa e tentando reatar. Eu criei coragem pra pressionar minha mãe a terminar isso logo.
E ainda têm o lance do meu vô, que é a pessoa que mais chega perto de um pai pra mim, me botando pressão pra eu estudar e passar em Medicina. Na real, eu gostaria de ser professor de algo como História ou Filosofia. Mas ele não gosta disso e vive fazendo piadas sobre, e qualquer assunto que falamos juntos eles puxa pra algo relacionado a passar em Medicina ou ser médico.
Eu me sinto como um fardo pra eles, e de fato eu sou. Mas eu não sei como mudar isso e parece que a cada passo que eu vou, eu volto mais dois.
Além de tudo, eu perdi meu gosto por jogos online e por conta disso eu me afastei de meus amigos. A única pessoa que eu realmente falo constantemente é minha namorada, a única pessoa que me dá apoio e consigo conversar abertamente sobre esses problemas. É foda.
Enfim, tem outras merdas que aconteceram, mas isso é o principal. Desculpa pelo texto grande mas eu tive que tirar isso de mim em algum lugar.
submitted by GradeRevolutionary10 to desabafos [link] [comments]


2020.10.14 20:05 gabstablook Tá foda

Meu namoro acabou no fim de Março desse ano, fazendo combo com a entrada da quarentena. Esse tem sido, literalmente, o ano mais difícil da minha vida.
Eu que sempre aconselhei meus amigos sobre relacionamentos me vi inserida em um com grande potencial para ser descrito como abusivo. Ainda acho que nunca foi muito intencional, mas minha terapeuta, vulgo a melhor pessoa do mundo, notou características manipuladoras nessa minha ex namorada.
Nós namoramos por 8 meses, foi o relacionamento mais curto da minha vida, mas existiu o suficiente pra que eu me perdesse.
Situações onde ela me convidava pra passar a noite junto e, quando eu chegava, começa a me tratar super mal, terminava e, assim que eu chegava em casa, me ligava pedindo pra eu voltar. Debochava de quase tudo que eu gostava, das minhas roupas, cabelo e me acusava constantemente de vitimismo (eu detesto esse termo).
Ainda assim foi ela quem terminou comigo e eu fiquei completamente sem chão.
Desde Março ela me procurou várias vezes. No começo de Setembro passamos duas semanas juntas e acreditei que poderíamos voltar, ela parecia diferente e ciente de algumas atitudes tóxicas. Obviamente eu estava enganada e agora sigo na luta para tentar superar de (novo) vez todo esse ciclo doentio que permiti.
Nossa última conversa foi extremamente prejudicial. No final de Setembro resolvi me "declarar" e fui totalmente sincera sobre meus sentimentos que, apesar de tudo, ainda existiam. A resposta que tive foi algo parecido com "queria que tivéssemos dado certo, mas não deu. Desculpe, não posso ajudar".
Depois disso tentei me afastar e, mesmo assim, ela continuava me procurando. Fui a um bar com uma amiga para distrair e ela foi atrás. Eu confesso que fiquei feliz ao vê-la, afinal, ainda nutria sentimentos.
Para minha surpresa ela sentou com a gente e resolveu contar sobre como estava saindo com outras pessoas, sobre como meu "jeito de namorar" era "muito intenso", sobre como eu colocava cerveja de modo errado (!!) no copo, entre outros que me deixam triste só de lembrar.
Esse dia voltei chorando pra casa e prometi aquela seria a última vez.
Foi realmente a última vez, até que sou boa em cumprir promessas. O problema é que toda essa história me deixou diferente, como se alguma parte de mim tivesse ido embora e eu não sei como recuperar. Fazer terapia tem ajudado DEMAIS, mas ainda assim não tem sido o suficiente.
Me sinto refém dessa história, como se ela estivesse fadada a se repetir em minha vida. Não consigo me relacionar com mais ninguém, tenho crise de ansiedade sempre que alguém demonstra qualquer tipo de interesse e me sinto uma pessoa horrível na maior parte do tempo ):
Sei que isso vai passar, principalmente porque tenho ferramentas que me ajudam nisso. Mas esse processo tem sido extremamente doloroso.
Não tem um dia em que eu não acorde implorando pra que eu me sinta melhor. Estou me esforçando pra entender quais lições devo tirar disso. TÁ FODA!
submitted by gabstablook to desabafos [link] [comments]


2020.10.14 02:49 Krahmukoslovisk Porque não sou feliz?? *aviso de texto enorme*

Sempre que começo a estabilizar ou estagnar sempre me surge um sentimento cruel, de que eu estou preso a algo ruim, que ficarei pra trás. Tenho um desejo incontrolado de sair e começar tudo do zero. Porém quando estou em um lugar novo sinto falta do conforto e do carinho, me fazendo querer desistir. Hoje estou fazendo mestrado, trabalhando em uma ótima clinica e mesmo assim sinto um vazio no peito, uma dor e uma angustia, seriam esses os sintomas tardios do termino? Da realização de um “fim”. Pois é, em 2017 voltando do meu intercambio dos estados unidos eu tive um relacionamento rápido coisa de 3 meses, terminei e pra mim foi tudo bem, não havia história e não havia amor verdadeiro. Alguns meses depois me veio a ruiva mais linda que eu já vi (apesar de não ser ruiva natural caia muito bem nela, e nem se podia notar), eu me apaixonei na hora, mas pensei “não sou cara pra namorar, não consigo me conectar’. Eu não podia estar mais enganado. Os primeiros meses foram difíceis, ela havia terminado um relacionamento que não tinha superado, não queria se envolver, muito menos eu, afinal estava na faculdade e queria curtir tudo na mais absoluta esbornia. Porém o cheiro, o carinho e aquele sorriso me quebrou de uma forma tão intensa que eu não quis acreditar, foram períodos de muita felicidade até o momento que tudo virou de cabeça pra baixo, terminamos pois estávamos muito estranhos e eu não entendi muito bem mas não tive objeção, só que algo não estava certo pra mim eu não conseguia esquecer ela.
Fui atrás e descobri da boca dela uma traição, e que ela estava sendo coagida, foi agredida e teve que sair de onde morava por causa do sujeito. Foi o momento 1 da minha mudança, pois sempre fui um cara que abominou traição e quando a pessoa trai uma vez vai trair de novo, só que eu não consegui, não consegui olha pra ela e dizer que não queria olhar pra ela nunca mais, porque eu queria ela do meu lado, então, foi quando eu deixei ela morar comigo, dividir a casa com quem me traiu e quebrou minha confiança, chorava toda noite, porém não conseguia mandar ela embora não estava certo pra mim, e que apesar do que ela fez pra mim, o que fizeram com ela foi pior, voltaram as amigas dela contra ela, as próprias meninas de republica não ajudaram ela nem mesmo na parte da agressão. Eu resolvi dar mais uma chance pra ela e ó Deus daria mais umas 20, porque depois disso não tive o que reclamar, sempre atenciosa, se preocupava comigo, fez questão de conquistar minha confiança pouco a pouco até eu pensar em casar com ela, porém veio o ponto da virada numero 2.
Final da minha faculdade estava passando por problemas com os professores, a ponto de quase ter que ir no ministério publico para resolver um conflito, meu TCC estava um caco e eu estava a um pingo de ser reprovado no meu ultimo semestre, e isso é claro refletiu no relacionamento, brigávamos sempre pois estava apático a tudo, só conseguia comer e jogar, ela (com toda razão) se sentia abandonada, e eu não sabia se queria continuar namorando pois tudo na minha vida estava triste. Terminamos novamente, me consultei com um psiquiatra que me passou medicações e tirei um tempo para ficar em casa, tive crises de pânico, mas quando as medicações começaram a fazer efeito eu consegui fazer tudo, e ela, mesmo depois de ter terminado continuou ao meu lado, me ajudando e segurando minha onda diversas vezes, e no final eu percebi que estava em um momento horrível e pedi para voltar, voltamos. Então se inicia 2019 (teve um salto grande eu sei) quando sai da cidade onde fazíamos faculdade e fui para vila velha e ela ficou lá, novamente as coisas começaram a ficar estranhas, ela é a definição de paixão pra mim, intensa, sem medo, faz o que o coração manda e passar por cima de tudo para fazer o que acha certo, e eu não, sou acomodado e fico sempre a mercê do que os outros fazem ou deixam eu fazer, sou passivo nas atitudes. A distancia era grande, eu tinha uma rotina pesada e não tinha tempo de conversar por mensagem, estava muito dedicado ao meu estagio e ela precisava de mim, precisava conversar e precisava do namorado dela ali do lado dela, então brigávamos constantemente, então novamente outro termino. Só que dessa vez fui tão cego que não vi o que ela estava passando, os problemas que tive de final de faculdade ela também teve, e eu egoísta que sou, não soube ver isso, e quando me toquei do que havia feito, tentei de alguma forma ajudar, mas ela não me atendia, e quando a gente se falava ela só sabia chorar, e eu tapado que sou não sabia o que fazer e como agir.
Então começa o ponto de virada 3, terminei o meu estagio, voltei pra casa e arrumei um emprego em um consultório veterinário perto de casa(interior do ES divisa com o RJ), e ela voltou pra cidade dela Pedro canário (norte do ES, divisa com a Bahia) estávamos terminados porem anos antes compramos um congresso de veterinária juntos e ela disse que mesmo que terminássemos ela ia disponibilizar a casa (o pai dela mora em Curitiba) dela para eu ficar. Foi chegando a data de ir e eu não sabia se aquilo estava valendo ou não, então quando menos esperava, depois de semanas sem se falar ela pergunta quando que vou, eu que nem tinha preparado nada, entrei em choque e comecei a ver data de voo, e na minha cabeça pensava “vou conquistar essa mulher de novo”, e como já dizia Rubel “se for preciso eu pego um barco e eu remo por 6 como peixe pra te ver”, ela ama Rubel. E fui, eu nunca tinha sido recebido tão friamente, era simplesmente era apática a tudo que era relacionado a mim, eu pensei “não vai dar” e já fui baixando a expectativa mas não desisti, e então em um belo dia a noite em casa, a gente ficou entre choros de saudade e tristeza, amor e ódio. Mais uma vez resolvemos tentar, sempre claro corrigir os erros do passado, para não se repetir. Ela fez comigo um teste de perseverança pois estava devastada com o que fiz com ela (deixar ela sozinha no fim da faculdade segurando uma barra desgraçada) Eu arrumei um estagio para ela numa indústria de laticínios na minha cidade e ela foi pra lá. Eu percebia que ela era muito grossa e sempre discutia por coisas bestas, eu sabia que era pra me testar, segui firme. Próximo do estagio acabar, meus pais (que aliás achavam que estávamos separados, na verdade só fingiam) perguntavam quando ela ia embora, e eu não sabia como tocar nesse assunto porque eu também não queria que ela fosse, queria ficar com ela, mas então em janeiro de 2020 ela foi embora, para Curitiba na casa do pai dela. E pra minha sorte o que houve em 2020? Pandemia, comércios fechados, aeroportos fechados, caos no mundo, e a única forma da gente estar junto e por whatsapp, e quem é o insensível que não consegue ser atencioso a distância? Eu mesmo e assim levamos por alguns meses, planejando nos ver em pleno a pandemia, mas eu não tinha dinheiro, recebia muito mal (menos que um salário mínimo) e pra ir ver ela teria que pegar dinheiro com meus pais, que com certeza não me emprestariam, então era sempre uma decepção porque ela sempre vinha com promoções de voos e formas da gente se ver, e eu sempre realista quanto a nossa situação, foi então que em junho desse ano ela me ligou terminando tudo.
Aceitei, foi uma conversa ate que longa, ficou muito claro nossos motivos, mas o principal foi a distância (eu não consigo ser eu mesmo por mensagem, não sei o que acontece, no dia eu só vou fazendo as coisas e depois que me toco de ver celular mas as vezes já e tarde). No mesmo mês fiz minha inscrição no mestrado em Vila Velha aonde havia estagiado meses antes, acabei passando, não recebo bolsa, e estou tendo que trabalhar para pagar o mestrado e as contas (quase 2500 reais no mês) até ter uma bolsa, se houver ela. Mês de setembro fiz plantão todos os finais de semana e terças-feiras, de segunda a sexta estava na rotina do Hospital para aprender a fazer coisas novas em anestesia e a noite aula. Foi um mês desgraçado, mas foi um mês que não senti falta dela, ai nesse ultimo feriado, alguns amigos me chamaram para ir para a praia em Guarapari (cidade próxima) pra gente da uma curtida, então eu fui, e realmente me diverti muito, e no domingo eu acabei ficando com a amiga da namorada de um amigo meu (complicado mas acho que deu pra entender) e nesse momento, meus amigos, só me vinha uma coisa na cabeça, a Ruiva. Eu só dei uns beijos nela e nada demais aconteceu mas no outro dia eu fui embora, porque não estava me sentindo bem com a situação, cheguei em casa triste, com uma dor no peito enorme, e acabei mandando mensagem para ela, conversamos de boa, falamos como estavam as coisas e então vem o momento da virada 4, a Ruiva, conversando com umas pessoas arrumou um emprego numa cidade pequena aqui no espirito santo, e essa cidade meus amigos, é 70 km de onde eu moro, e agora eu não consigo trabalhar, comer, estudar e nem fazer nada, só penso em ir lá e chegar dizendo que vim remando por 6 meses e só pude chegar agora. Porém meu medo é eu ser a pessoa que nunca está feliz, que quando está bom quer mudar e quando muda sente falta do conforto. Inegavelmente eu a amo, e ela me ama também (foi dito isso na conversa) mas tanto ela quanto eu sabemos que amor nunca segurou e nunca vai segurar relacionamento, fico me perguntando, com a possibilidade de ir vê-la a cada 15 dias e trabalhando pra me sustentar, podendo fazer planos de vida, se daria certo. Antes vivíamos em momentos diferentes, mas agora estamos vivendo no mesmo momento, trabalhando e sendo adultos que moram fora de casa. Meu coração e meu corpo doem de medo de ignorar o que todas as fibras dizem que é ir ver ela esse final de semana, mas ao mesmo tempo morro de medo de estar sendo o maior egoísta desse mundo e me deixar levar por esse sentimento e acabar descobrindo que não consigo mudar e que não da mesmo para estarmos juntos. Nunca fui muito religioso, mas já rezei para Deus para ter sucesso, para ter dinheiro pra pagar minhas contas, agora peço que ignore tudo e me uma luz para onde seguir.
submitted by Krahmukoslovisk to desabafos [link] [comments]


2020.10.12 01:10 Nisgolas Eu vi a mãe da minha amiga passando hipoglosso no cu do marido :))

 É bem isso mesmo, aconteceu depois do segundo dia do Enem de 2018, estava em e três amigos comemorando o enfim termino dessa merda e procurando algum rolê para encher a cara. Uma amiga nossa ia dar essa festa na casa dela e decidimos ir, depois de andarmos uns 10KM chegamos lá, mortos de cansaço, suado e tensos com medo de ser assaltado durante o trajeto. Não demorou mais 10 minutos para esquecermos tudo e beber cerveja, depois de umas 2 horas de festa o pai dela (caminhoneiro) chegou, cumprimentou todos pegou uma cerveja e ficou por ali mesmo junto com a esposa conversando e vendo nos beber e rir. Aqui começa a dar tudo errado, a namorada de um dos meus amigos que foi a pé junto comigo, tinha acabado de chegar e com ela eles começaram a se pegar pesado na frente de todos, até que decidiram ir quarto da dona da festa se pegar lá, todo mundo bêbado tinha decidido ir lá ver de tempos em tempos para evitar que eles fizessem alguma merda muito grande, já que ele estava podre de bêbado. Quando foi minha vez me deparei com um corredor que tinha uma porta a minha frente que eu sabia que era um banheiro pois já tinha ido diversas vezes, mas tinha uma porta a direita e uma esquerda, fiquei um bom tempo sem saber qual era a certo e digo um fodasse mentalmente e abro de uma vez a porta da esquerda. EU SIMPLESMENTE ENCONTREI O PAI DELA NA POSIÇÃO FRANGO ASSADO RECEBENDO HIPOGLOSS NO CU, minha única reação foi "ops achei que era o quarto da fulana, desculpe" e fui embora e me escondi atrás da casa. O filha da mãe ainda foi atrás de mim, pensei que eu ia morrer ali mesmo. Ele me contou por ser caminhoneiro e passar muito tempo sentado ele ficou assado, fui embora 5 minutos depois de vergonha. Sei que a culpa é total minha de não ter batido na porta, mas porr, única vez que não faço isso meus olhos sangram 
submitted by Nisgolas to desabafos [link] [comments]


2020.10.11 04:49 BUDABICHO Estou ficando obcecado pela solidão

Tenho 30 anos e há 4 anos estou sistematicamente cultivando uma vida mais solitária. Comecei me afastando dos meus amigos, depois troquei namoro por sexo casual e lentamente me afastei dos meus pais, irmãos e parentes. Me mudei para um bairro onde não conheço ninguém, e tudo isso me faz muito bem. Estou me preparando para me mudar para outro estado nos próximos meses (se o mundo não acabar) , e só pretendo levar grana, uma mochila e meu gato. Meu passado foi bem diferente, mas a essa altura da minha vida sinto uma necessidade constante de estar só, abandonado e longe de outras pessoas. Pretendo fazer terapia por mais 3 meses para me preparar para mudar de estado, e espero não acumular nada, não ter conforto, não ter uma linda casa, nem uma namorada, nem amigos. Vivo com esse pensamento "fique completamente sozinho" há 4 anos, mas a cada dia que passa me torno mais radical, nos últimos dias tive um rompimento com minha avó e minha mãe, e apesar de agora eu só ter 1 única pessoa que considero 'família', nunca me senti tão livre, e me sentir livre é melhor que me sentir amado.
Só tenho medo de ficar doido, pois sei que a falta de contato social cause sérios problemas na cabeça. Isolamento? Lockdown? Covid? Deus me perdoe, mas espero que durem pra sempre. Antes da pandemia eu estava perdido, desesperado e me sentindo um fracassado. Faz meses que estamos presos e fazia anos que não me sentia tão bem. Espero que em breve eu consiga ir para o meio do nada ficar sozinho, não quero nenhum ser humano em 50km de distância. Isso pode parecer absurdo, mas não consigo ver outro futuro para mim que não seja uma vida cada vez mais só. Às vezes eu acho que vou morrer, e alguns problemas muitos sérios seriam resolvidos se eu tivesse ao menos um conhecido por perto. Tenho problemas muito sérios na minha rotina que seriam resolvidos se eu tivesse ao menos um conhecido por perto. Meu gato já ficou com fome porque eu não tinha 3 reais para completar uma passagem para ir buscar um saco de ração, coisas como essa me deixam puto, mas o que a solidão me trás de positivo é incomparável. Sabe aquele sentimento de excitação que a gente tem quando está passeando sozinho por uma cidade desconhecida? Uma espécie de 'safadeza', de malandragem, um sentimento de 'agora eu posso ser a pessoa bacana que eu sempre quis ser"? Tenho esse sentimento todos os dias, e ele vem da total falta de expectativas sobre mim. Ninguém espera nada de mim e por isso não preciso repetir todos os dias a mesma postura. Esse sentimento de frescor dura 4 anos e espero que dure para sempre.
Espero que minha reclusão não me mate antes de arrumar uma namorada. Para matar a minha 'fome' geralmente recorro ao sexo casual(gay), homens gays são muito práticos. Mas tenho um desejo enorme de ter uma relação mais profunda com uma mulher, pois quando tive essa oportunidade eu joguei fora, e agora há pouca ou nenhuma possibilidade de me aproximar de uma mulher. Ainda não conheci esse sentimento gostoso de ter uma mulher do meu lado (homens já tive vários), e com 30 anos sou um homem inexperiente com mulheres. Já tive a chance de amar um homem, e sou grato por isso.
Sinto que em breve vou alcançar a paz que busco, ela parece estar bem ali, virando a esquina. Se algum dia você estiver de férias no meio do mato e aparecer um doidão faminto correndo pelado e falando sozinho, provavelmente serei eu. Sou bonzinho e não machuco ninguém, por favor me cumprimente. Não sofram por estarem sós, sofram por estarem rodeados de pessoas.
submitted by BUDABICHO to desabafos [link] [comments]


2020.10.10 10:04 biel2907 Muitos problemas mentais

Boa madrugada, ou nem tão boa assim... Pra você que vai ler o que vou dizer, entenda que sua mente tem que ser muito aberta, principalmente a perdão, e o que você vê como ser humano ou não...
Enfim, indo do passado ao presente, meus pais nunca tiveram um relacionamento muito bom, desde que eu me entendo por gente, e estou falando disso porque é o que eu penso que pode ter provocado algo em mim do que vai vir a seguir... desde que eu me entendo por gente eles sempre brigaram, meu pai é muito mulherengo e minha mãe era bem menos "fogosa" que ele, e o casamento não deu muito certo, nunca vi meu pai bater nela, mas a pior briga que eu já vi foi ele ameaçando bater nela, mas isso nunca aconteceu, e eu não queria que eles terminassem de jeito nenhum até os meus 14/15 anos mais ou menos, pra mim era como se fosse o fim do mundo, depois eu entrei em uma escola técnica/ensino médio e vivia lá porque era muito tempo estudando e em uma cidade vizinha, conheci uma garota 2 anos mais velha que eu, foi a primeira pessoa que fiquei e assim que ficamos a primeira vez ela me pediu em namoro eu aceitei, não sei bem porque, mas foi indo, meu pai foi pra são paulo trabalhar porque tinha mais oportunidade (sou do rio de janeiro com minha mãe) e vinha as vezes 1 ou 2x por mês só visitar a gente, então o casamento foi só piorando... mas meu pai já tinha traido minha mãe antes e ela "perdoou" uma vez. Agora entra outro problema, eu não sei o porque, mas eu comecei a exercer um relacionamento tóxico/abusivo com essa garota que eu namorava, ela fazia tudo por mim me amava de verdade, e eu não conseguia confiar de jeito nenhum! E eu fui doente demais, fiz ela passar por coisas horriveis, a mãe dela controlava ela também, e eu também, e acabei brigando com a mãe dela (só discussão), enfim, mas a minha namorada foi a que mais sofreu, sério, são coisas terriveis, durou 4 anos nosso namoro, mas eu só ia piorando nas humilhações a ela,principalmente quando terminei a escola e fui pra faculdade em outra cidade, já fiz ela passar papel higienico no rosto, etc, inclusive já cheguei a agredir ela fisicamente (especificamente dei um tapa no rosto, não foi forte pra deixar marca nem nada disso, mas mesmo assim é TOTALMENTE errado, e eu nunca mais quero repetir algo do tipo), durante esse tempo meu pai engravidou outra mulher em SP minha mãe descobriu e eles finalmente terminaram (e eu agradeci por isso, não aguentava mais o relacionamento deles), uns meses depois a minha ex namorada finalmente se ligou com a ajuda das amigas dela e etc, e eu acabei terminando com ela por uma besteira minha e ela não voltou mais, e cortamos o contato dali, a partir daquele momento eu fui instantaneamente pro psiquiatra/psicólogo e comecei a frequentar bastante, eu passava mal durante meu relacionamento também por ansiedade de vomitar, ter caimbra no corpo todo, entortar ir pro hospital etc, isso já aconteceu varias vezes, eu acordava assim, em viagem de onibus sozinho, e era duro pras pessoas perto de mim ver aquilo, mas meus pais não gostavam de médicos de saúde mental, e só depois de tudo isso que eles resolveram que eu "deixar" eu ir. Eu ia bem na faculdade, porém nunca tive um sonho do meu curso em especifico, mas meu sonho era ter uma familia e só, nunca fui muuuito social, mas tinha uns amigos, até hoje tenho, depois que terminamos, eu não via motivo pra continuar na faculdade que pra mim era só pra dar um futuro pra minha familia que eu construiria, uma vez que fiquei sozinho perdi totalmente a vontade, tranquei voltei pra casa pra ficar com minha mãe, e ela também trabalha em algo bem simples e nunca teve vontade de melhorar na vida em questão de estuadr etc, e acho que acabei pegando esse jeito dela, mas é mais problema meu, n posso culpr os outros, hoje com 21 anos em plena quarentena com muito tempo livre eu não tenho emprego, não consigo lidar com os estudos EAD da faculdade (que tentei voltar) não tenho vontade, mas também não tenho vontade de fazer nada, eu queria um sonho, um motivo, algo profissional pra eu tentar aprender e melhorar, mas eu não consigo ter vontade de nada disso, chorei uma ou 2x e liguei pra uns amigos pra desabafar, mas sinto que já não tenho mais amigos pra isso... e também não adianta muito, porque eu quero uma solução, e acho que só tem como vir de mim, eu dei uma parada nos médicos mas já marquei psiquiatra/psicólogo novamente, tenho uma relação horrivel com meu pai desde então também, ele ja ameaçou brigar comigo e eu ameacei matar ele (falei da boca pra fora, bem eu acho) e tenho sonhos em que ele volta de SP pro RJ e sou obrigado a conviver com ele e é pertub ador, porque ele sempre foi uma pessoa mt grossa, e eu não sei mas tenho uma raiva guardada dentro de mim dele e não consigo lidar com isso, eu só queria esquecer q ele existe, mas sei que ele vai voltar aqui uma vez ou outra pra querer me ver, ver minha mãe, os pais dele q são meus vizinhos, etc. Enfim, a ansiedade eu consegui melhorar bastante com os remédios, os problemas de ser abusivo e tóxico eu falei tudo isso em diversas terapias, e acho que lido bem melhor hoje (só pondo a prática, eu namorei uma menina depois dessa mas foi por menos de 1 mes, foi bom pra nós apesar de ser curto kkkkk porque eu passei um tempo em SP assim que eu terminei o primeiro namoro, mas só piorou as coisas com meu pai lá e eu voltei e acabei terminando com a menina, na verdade foi bem consensual, ela gostou de mim mas também nem tanto pra namorar kk n tinha a magia, mas de verdade fui uma pessoa bem boa pra ela no tempo curto que tivemos e foi legal pra mim tentar me provar que melhorei mesmo que um pouco. Enfim é isso, não sei se pode ser curiosidade de vocês, mas eu me desculpei com minha ex 1 mes depois q terminamos, e ela tava bem melhor, acredito que possa ter buscado ajuda profissional depois de ter passado tantos problemas comigo, mas a ultima vez que vi algo dela, inicio desse ano (terminamos ano retrasado), ela aparentava estar bem, não nos falamos, eu até hoje me sinto culpado pelas merdas, mas isso n apaga o passado... enfim, eu to tentando reconstruir tudo, inclusive quero tentar esquecer isso com meu pai, mas primeiro preciso achar um futuro pra mim profissionalmente, e isso tá foda, porque preciso não depender mas da minha mãe, mas ajudar ela em casa que não é nada fácil nos dias de hoje...
submitted by biel2907 to desabafos [link] [comments]


2020.10.09 08:09 JonyfromPT Quero desistir da universidade mas não tenho coragem.

Toda a minha vida fui um aluno mediano, nunca tive excelentes notas nem nunca fui o pior aluno e sempre me habituei no liceu a fazer as disciplinas sem grande esforço sem grande estudo. Claro que para exemes nacionais uma pessoa estuda sempre mais um bocadinho para aumentar o leque de opções para a candidatura à universidade mas mesmo isso não foi nada de outro mundo, sempre fiz com facilidade. Lembro-me de após saber a nota dos exames estar super entusiasmado para ir para a universidade, eu estava mortinho por ir para uma cidade nova, fazer amigos novos e ter novas experiências não interessando o curso nem o destino final para mim mas sim a viagem. Nunca tive problema com dinheiro porque por sorte os meus pais mesmo não sendo ricos conseguiam suportar a minha ida e estadia na universidade e para alem disso sempre me ajudaram e apoiaram no que foi preciso. Os primeiros 3 anos de universidade foi simplesmente javardice, faltava demasiado às aulas, quase nunca estudava, saia à noite frequentemente, jogava computador a noite toda.... Basicamente fazia tudo menos aquilo que me competia, ou seja, estudar. Resumidamente fiz pouquíssimas cadeiras e no final do terceiro ano acabei por prescrever. Contei aos meus pais e à minha namorada que conheci na universidade e ambos 'facilitaram' o meu mau comportamento e deram me outra chance para voltar aos estudos. No entanto, no meu quarto ano estando prescrito e pagando cadeiras por extensão (que fica muito mais caro do que pagar propinas) mesmo assim não me apliquei o suficiente e acabei por não fazer tantas cadeiras como queria sabendo perfeitamente que fora por causa da falta de método de estudo. Já aí começava a ver a minha licenciatura cada vez mais longe de ser concluída. O meu quinto ano foi muito duro, a minha namorada que tanto me apoia e me faz falta acabou a licenciatura e o mestrado e voltou para a terra dela para começar a trabalhar e todos os meus colegas de curso já tinham saído da cidade ou porque tinham terminado ou porque tinham arranjado trabalho também. Eu nesse ano decidi por travão na minha vida e começar a estudar a sério, a ir às aulas todas, tirar e pedir apontamentos e tentar me esforçar ao máximo para acabar o curso e voltar para a beira da minha namorada para começar a fazer vida que é tudo o que quero. No entanto, no final desse meu quinto ano, apesar de ter sido o ano em que mais me esforcei e que melhores resultados tive, vejo que ainda tenho pouco menos de metade por um curso na frente. Mais 13 cadeiras para concluir, é horrível, decepcionante, desmotivante.. Estou agora no meu sexto ano, vou fazer neste fim de semana 24 anos e sao precisamente 6:42 da manhã e eu não consigo dormir com isto na minha cabeça. O meu desejo era desistir da universidade neste momento, porque eu sei que aqui, longe de todas as pessoas que amo e a fazer aquilo que não gosto eu não estou feliz, queria arranjar um trabalho ou mais do que um seja ele o que for para ter experiência de trabalho e começar a ganhar dinheiro para poder começar a fazer vida com a minha namorada mas o medo de ser a desilusão dos meus pais é maior do que eu para não falar de que também tenho medo que a minha namorada ache que não seja 'homem suficiente' por não ter curso superior.. Se calhar por pensar desta maneira é que posso mesmo não vir a ser homem suficiente.. Não sei como vou resolver a minha vida, para já acho que me vou ter de sacrificar e continuar a tentar acabar um curso que odeio cada vez mais mesmo que me magoe a sanidade mental, no mínimo faria juz à quantidade de dinheiro que os meus pais já gastaram comigo e não é a primeira vez que tenho este pensamento, mas pelo menos é a primeira vez que escrevo o que sinto.. Peço desculpa pelo texto enorme, nem eu sabia que iria escrever tanto e com uma lágrima no canto. Vou tentar dormir e resolver a minha cabeça. Obrigado pelo desabafo.
submitted by JonyfromPT to desabafos [link] [comments]


2020.10.09 00:05 Geralment Eu fico triste vendo pessoas atraentes. ;/

Eu sou homem, a propósito, e é esse o meu desabafo. Toda vez que vejo uma menina bonita eu fico meio triste porque eu sei que não vai rolar nada entre eu e ela.
Já. Já tentei me impor mais socialmente, usando tinder, indo pra festas, puxando papo no Instagram, qualquer coisa.
Geralmente eu consigo puxar um papo, mas... nunca dá certo. Sou respondido com desinteresse e é isso aí, vida que segue, mas sem viver.
Meu grupo de amigos ficam falando que eu sou bonito, atraente, engraçado, e inclusive as namoradas de dois amigos meus também falam, mas sinceramente, não sei o que tem de errado comigo.
P.S: Tenho 18 anos e estou prestes a entrar na faculdade em Psicologia.
submitted by Geralment to desabafos [link] [comments]


2020.10.08 14:59 Creids258 Como ajudar um colega a se livrar do seu vício?

Bom dia! Gostaria de algumas dicas para ajudar um colega meu a se livrar do seu vício em maconha, ele fuma desde os 12 anos, usa lança- perfume, fuma cigarro, bala e bebe. Não conhecia bem esse mundo até entrar na faculdade, nunca procurei para ver como é uma maconha ou como bolar um baseado. Mas ele precisa de ajuda, nesse ano ele teve um problema com o pai dele e saiu para morar em outra casa aqui na cidade, ele tem uns amigos e uma namorada que também adoram usar essas coisas, os dois trabalham no Fórum aqui da nossa cidade, estamos no curso de Direito. A namorada dele inclusive trabalha na mesma vara que eu, ela trabalha no gabinete ao lado do juiz, faz audiência entre outras coisas, os dois estão morando juntos nessa casa e ver o jeito que ele está se destruindo é muito triste, ele usa essas coisas em eventos que ele vai com seus amigos. Tem umas festas que eles frequentam chamada Trip Sound, Circus e tem outras que não lembro o nome, ele inclusive usa o seu Instagram para mostrar que usa essas coisas e também vende para conseguir lucrar um pouco. Eu e meus colegas da faculdade já tentamos conversar com ele, mas ele não muda, ele fala no Twitter que foi atrás de melhoras, procurou uma psicóloga, mas depois não voltou mais lá. Eu entendo que ele tem uma vida meio conturbada os pais são separados, o pai mora aqui na minha cidade e a mãe mora na cidade onde ele nasceu, um dos problemas que fez ele sair da casa do pai dele é que o pai descobriu que ele fuma e além disso o pai dele bebe muito e isso deixa ele triste, já conversei com ele várias vezes mas ele não para, não muda e isso está destruindo ele, ao meu ver ele já era meio doidinho quando conheci ele, mas agora ele só está ficando mais lesado, já pesquisei e conversei com meu psiquiatra sobre os efeitos da maconha no nosso cérebro e elas não são boas. Se alguém tiver algum conselho para me dar ou um modo para ajuda- ló eu seria grato.
submitted by Creids258 to desabafos [link] [comments]


2020.10.08 05:10 Thymothy Minha família quer me obrigar a fazer carreira militar.

Chegou aquela fase da vida que você tem que escolher oque deseja fazer, tenho 17 anos, e esses últimos 2 anos foram um inferno. Minha família é literalmente composta inteira por militares, e acho que isso afetou muito minha vida toda, sempre foi um regime sem questionamentos na minha casa, e chegou a um ponto que eu não tenho mais coragem de dar minha opinião, nem mesmo pras coisas que não envolvem minha família, fica na minha cabeça a minha mãe falando pra não responder ela, ou coisa do tipo. Quando cheguei no segundo ano, foram colocando pressão na minha cabeça pra eu querer fazer a carreira militar(bombeiro no caso), pagaram curso, chamaram amigos, etc... Mas essa nunca foi uma opção pra mim, ser humilhado por dois anos inteiros, ter que ficar longe de casa, me matar de estudar pra ter que ficar ouvindo grito o dia todo é uma coisa que eu não quero, não importa a remuneração. No início desse ano eu deixei de ter escolha, eu aceitei, até porque eu não tenho coragem pra dizer não, estava indo tudo bem até a pandemia, que me jogou pra baixo, e me fez repensar porque eu to estudando. Eu empurrei tudo com a barriga, tentei achar algum ânimo pra mim mesmo, meus amigos me abandonam, eu não podia desabafar nada com a minha família, jogariam tudo na minha cara na primeira oportunidade que tivessem. Eu estava tão paranoico que tinha desistido de pensar em alguma profissão diferente. Por muito tempo da minha vida eu não tinha nenhum dom ou talento de verdade, mesmo treinando ou tentando várias coisas, eu nunca achava no que eu era bom de verdade, só que nessa quarentena eu descobri, oque me deu força pra continuar respirando era jogar RPG com um grupo online que eu achei, que em 4 meses, conseguiram ser mais companheiros que meus amigos que eu conhecia a 5 anos e ( e alguns familiares), investi todo o meu tempo, criatividade, abri mão de vários compromissos, só pra poder me reencontrar com eles todo o domingo, pra mim o jogo ficava em segundo plano, eu só queria falar com eles. Mas eu fui burro, não consegui nem disfarçar que eu me importava mais com o grupo do que com os estudos, acabei perdendo uma prova de vestibular(não a do bombeiro), porque eu tava planejando o jogo. Agora, eu to proibido usar qualquer aparelho eletrônico, eu roubei meu celular só pra poder escrever isso. A única pessoa que tá me dando suporte é minha namorada, mas mesmo assim, eu to muito desanimado pra fazer qualquer coisa agora. Se alguém tiver alguma situação parecida, comenta aí, não vou responder agora, mas assim que puder eu respondo.
submitted by Thymothy to desabafos [link] [comments]


2020.10.08 04:06 Cyberthinker Minha melhor amiga me atacou e me abandonou no leito de morte de um parente e depois de 5 anos me envia “oi, amigo”. O que vcs fariam?

Sou gay, minha família finge que não sabe. Minha então melhor amiga da faculdade (que sabia que sou gay) andava comigo pra cima e pra baixo.
Ela sempre teve fama de ser uma pessoa difícil, arrogante, fria, xucra... Nenhuma menina da faculdade gostava dela, ela sempre comprava briga. Eu era o único amigo dela na faculdade, e sempre nos demos muito bem. Aliás, ela não se dava bem nem com a própria família. Mas por incrível que pareça comigo ela sempre foi um doce, nunca tivemos qualquer problema, amizade de 10 anos! Inclusive dizia que se não achasse o homem ideal queria ter um filho meu.
Como estávamos sempre juntos, alguns pensavam que éramos um casal. Não sou afeminado, sou masculino (minha avó diz que sou bonito kkkkk) e ela aproveitava pra colocar como foto principal dos perfis dela das redes sociais nós dois juntos pra fazer inveja na concorrência, pra atacar os ex-namorados dela, pra atacar as meninas que a odiavam… Ela usava minha imagem como namorado de mentira pra ostentar uma relação.
Em certo ponto comecei a levar ela para os eventos da minha família. Minha família sabe que sou gay, já falei pra minha mãe, ela já deu a notícia pra outros parentes, mas nunca tocaram no assunto, é um tabu. Principalmente minha avó (católica, conservadora, mas com quem sou muito ligado) a vida inteira me cobrou uma namorada. E essa minha melhor amiga disse: SE VC QUISER, POSSO FINGIR PRA SUA FAMÍLIA QUE SOU SUA NAMORADA. SUA AVÓ JÁ É VELHINHA, PELO MENOS ELA FICA FELIZ. Eu disse mesmo que a gente não precisava fazer teatro, deixe que acreditem no que quiserem.
Mas nos eventos de família, minha amiga fazia questão de ficar bem próxima a mim. Ela é uma moça bonita. Meus parentes, principalmente minha avó, não escondiam a alegria e o alívio de pensar: “OBRIGADO DEUS, ELE TEM UMA NAMORADA! NÃO É GAY!”
Minha avó sempre perguntava dela, sempre queria vê-la… passou a ter uma obsessão por essa menina… E ela tbm se aproximou da minha avó… era carinhosa, tratava bem, ajudava, fazia maquiagem, cabelo, favores na casa… enfim, conquistou a confiança da minha avó.
O tempo passou e minha avó teve um infarto (ou ameaça de infarto?), foi parar na UTI. O médico disse que não iriam fazer nenhum intervento por causa da idade, e se ela quisesse e a família concordasse, ela podia ir pra casa (insinuando pra ela morrer no conforto do lar) pq não tinha muito o que fazer. Ela não conseguia se mexer, muito fraca, falava muito baixinho… E disse que antes de morrer queria ver quem? Minha “namorada”. No leito de morte, ficava chamando pelo nome dela.
Não hesitei, chamei minha amiga pra visitar minha avó. Afinal era minha melhor amiga, claro que não seria problema, né? Não! Ela surtou e disse: DESCULPA, MAS NÃO VOU. NÃO VOU FAZER PARTE DESSE TEATRO. AINDA MAIS PRA UMA VELHA QUE NÃO ACEITA O NETO GAY, HOMOFÓBICA, ATRASADA. NÃO CONCORDO COM ISSO. SINTO MUITO, ESPERO QUE ELA TENHA UMA PASSAGEM TRANQUILA. EU QUERO AMIZADE DE PESSOAS LEVES, E NÃO AMIZADE EM QUE VC ME COLOCA DENTRO DOS SEUS PROBLEMAS PESSOAIS.
Eu respondi: POIS EU SOU PROFUNDO E PREFIRO AMIZADES PROFUNDAS, DE PESSOAS QUE ESTÃO DO NOSSO LADO MESMO NOS MOMENTOS DIFÍCEIS.
Juro que ela disse tudo isso! Ela se negou a visitar uma velhinha que chamava por ela no leito de morte e ainda me falou tudo isso. Se ela não quisesse, tudo bem, podia ter dito de forma delicada ou normal que não iria se sentir bem, eu iria entender... mas não, ela se recusou e me atacou. Num momento de fragilidade, num dos momentos mais difíceis da minha vida. E depois de ela mesma contribuir pra armar todo esse "teatro" e fazer questão de conquistar o carinho da minha avó. Foi muito extremo, uma punhalada muito forte. Cortamos totalmente a relação.
Por sorte, minha avó sobreviveu e está bem depois de 5 anos (hoje tem quase 90). Mas minha “amiga” nem quis saber se ela realmente morreu eu não, nunca me procurou pra saber.
E hoje, depois de todo esse tempo, ela me envia mensagem: OI AMIGO! O FACEBOOK ME MANDOU UMA LEMBRANÇA SUA. COMO VC ESTÁ?
Realmente não sei como reagir. O que vcs fariam?
submitted by Cyberthinker to desabafos [link] [comments]


2020.10.08 01:30 biaf14 Não sei mais o que fazer

Oiii, estou pela primeira vez postando aqui, mas na verdade sempre acompanho esse Reddit... E bem, como podem ver no título, eu não sei mais o que fazer...
Estou namorando a alguns anos com um menino que conheci na internet em um jogo, e amo muito ele, de verdade.
Esse é meu primeiro relacionamento com alguém, então eu ainda não sei absolutamente nada de como lidar e ser uma boa namorada, amiga e etc...
Minha vida sempre fui rodeada de pessoas de auto estima baixa ou que estão vivendo com depressão, inclusive meus melhores amigos tem. E bem, nesses quase 4 anos de relacionamento, acabei descobrindo que meu namorado também tem, o que não era novidade, já que ele já me contou inúmeras vezes sobre os problemas pessoais que ele enfrenta desde a infância com a família.
Ele já foi expulso de casa pela mãe quando criança, a madrasta já tentou mata-lo entre diversos outros. Ou seja... Desde pequeno a vida dele tem sido uma merda e ele acabou desenvolvendo depressão.
Nos últimos dias tem sido difícil pra ele, especialmente por causa da pandemia. E a depressão dele voltou a atacar fortemente de novo (depois de uma melhora de pouco menos de 1 ano, agora está tudo uma merda de novo), e eu não sei mais o que fazer...
Eu me acho insuficiente, uma péssima namorada, porque não sei e nem consigo lidar direito com a depressão dele e lutar pra que ele a vença. Eu tenho problemas de comunicação, sou tímida, nunca tive um relacionamento e não sei criar assuntos para se conversar com ele, eu não sei como anima-lo ou simplesmente dar um "up" na auto estima dele, tem sido um pouco difícil pra mim vivenciar tudo isso junto a ele.
Eu tento e tento animar, mas não adianta... E acabo ficando triste comigo mesma. Eu já recomendei ir a um psicólogo, mas ele tem medo...
Fora o fato de que eu também tenho meus problemas de auto estima e pessoais, acabo deixando todos eles de lado, só pra me preocupar com o do meu namorado.
Enfim... Eu tenho muito medo de perder ele pela depressão, eu não sei como posso ajudá-lo. Somos novos, temos muito oque viver juntos ainda, e vários planos juntos. E é a mesma coisa com meus amigos, eu não sei oque fazer. Eu tô muito triste comigo mesma, e toda vez que eu percebo que a depressão tá esmagando ele e eu não consigo ajudar, eu choro 😪😔
submitted by biaf14 to desabafos [link] [comments]


2020.10.06 15:24 Creids258 Não sei tomar um rumo na minha vida

Bom dia! Acompanho este subreddit há um tempo e hoje resolvi postar algo pela primeira vez, vamos lá. Durante muito tempo na minha vida desde a infância sempre fui fechado e tímido, sofri bullying por andar torto, ando assim até hoje, fiz fisioterapia e pilates desde criança e aos 7 anos fiz uma cirurgia porque eu tinha um encurtamento no fêmur , fiquei com depressão no ensino médio, nunca tive muitos amigos, e quase nunca saia de casa para fazer as coisas por ser um medroso e meio paranoico, sempre quando tinha algo na minha escola, uma social da sala eu ia, mas depois de um tempo comecei a perceber que eu não fazia diferença pra eles e que isso não agregava em nada para mim porque eu não sei puxar assunto com uma pessoa direito e ficava excluído isolado em um canto e isso me trouxe alguns problemas como não saber me relacionar direito com as pessoas, tenho uma ansiedade grande e isso acaba me prejudicando e me sinto um covarde por não saber fazer as coisas que pessoas da minha idade já sabem, tenho 20 anos e faço faculdade de direito aqui na minha cidade, sendo que nem sei andar nela, muito menos pegar um ônibus. Hoje em dia eu tenho algumas amizades com o pessoal da faculdade e converso com eles, mas não quero ser uma pessoa carente e ficar enchendo o saco deles o tempo todo, eles até me chamam para sair com eles( isso anos antes da quarentena), mas eu saí poucas vezes com eles para churrasco na casa de um deles, mas eu tenho uma autoestima baixa e sempre acabo pensando que nunca vou conseguir nada, não vou acalmar minha ansiedade, muito menos arranjar uma namorada(sou bv até hoje). Esse ano eu até queria começar a malhar na academia, conversando com meu psiquiatra ele falou que isso ajuda a melhorar a autoestima(sou um cara magrelo, praticamente pele e osso kk), mas meus pais estão passando por dificuldades financeiras e não tem condições de pagar. Eu olho as fotos dos meus colegas com os amigos deles e as vezes penso será que eu nunca vou ter isso direito? Sempre será uma coisa fútil? É isso me desculpe que ficou muito grande, ainda há certas coisas que eu gostaria de postar para ver se podem me ajudar, dar dicas, mas esse é o primeiro.
submitted by Creids258 to desabafos [link] [comments]


2020.10.06 08:33 Verchota Sobre a minha vida neste momento

Minha vida neste momento
Meu pai estava desempregado durante o período de um ano,ele tem diabetes e está um pouco velho. As contas aqui em casa estavam apertadas, quem mantinha era minha mãe que está desempregada. Neste período de quarentena não posso sair de casa porque temo pela vida do meu pai, já que ele pertence ao grupo de risco, ou seja, já estou a 7 meses sem ver meus amigos ou minha namorada. Este fato destruíu meu relacionamento com minha namorada, que pelas ações dela, não demonstram respeito ao meu posicionamento de ficar em casa, ela me culpa por não estarmos nos vendo e ela furou a quarentena diversas vezes, já viajou com os amigos e dormiu na casa de parentes com outras 10 pessoas, dificultando mais ainda de nos vermos, sendo que neste mês de Outubro faremos 2 anos de namoro. Como se já não bastasse, esse é meu terceiro ano do ensino médio, daqui 3 meses eu vou ter vestibular , querendo ou não eu ainda reconheço que sou privilegiado por estudar em escola particular, mas o preço da mensalidade tem sido exorbitante nas contas de casa, isso me coloca uma pressão de passar e entrar na faculdade logo e livrar meus pais deste problema. Porém, eu estou passando por um momento em que eu simplesmente não tenho vontade ou tenho motivação para continuar estudando, sei lá, eu engordei de uns tempos pra cá, desenvolvi alergias por conta do estresse e estou com minha auto estima baixa. Vou falar de vdd, não tenho depressão nem nada, só estou passando por um momento que todos os meus problemas estão se acumulando e que estou perdendo o interesse pelas coisas , e reconheço que posso estar reclamando de barriga cheia, porque não estou vendo os lados “positivos” ou “bons” da minha situação, mas eu gostaria de desabafar e compartilhar um pouco do que estou sentindo e o quanto estou cansado. Tem muito mais do que eu gostaria de dizer, mas estou escrevendo e já está tarde, é isso pessoal, boa noite e paz.
submitted by Verchota to desabafo [link] [comments]


APRESENTANDO MINHA NAMORADA AOS MEUS AMIGOS - YouTube Trolei meus amigos e minha 'namorada' - YouTube Minecraft Música ♫ - COM MEUS AMIGOS  Animation Minecraft ... MEUS AMIGOS MENTIRIAM PRA MINHA NAMORADA POR MIM ? - YouTube Testei a FIDELIDADE da minha NAMORADA com meu AMIGO! * me ... MINHA NAMORADA DISCUTIU COM MEUS AMIGOS ! *ACABOU TUDO ... TROLLEI MEUS AMIGOS COM LETRAS DE MÚSICA!!! (ADR) - YouTube TESTEI A FIDELIDADE DA MINHA NAMORADA COM O MEU AMIGO ... MINHA NAMORADA FICOU SEM ROUPA NA FRENTE DE TODOS ...

Minha relação com minha família é péssima, eu não consigo ...

  1. APRESENTANDO MINHA NAMORADA AOS MEUS AMIGOS - YouTube
  2. Trolei meus amigos e minha 'namorada' - YouTube
  3. Minecraft Música ♫ - COM MEUS AMIGOS Animation Minecraft ...
  4. MEUS AMIGOS MENTIRIAM PRA MINHA NAMORADA POR MIM ? - YouTube
  5. Testei a FIDELIDADE da minha NAMORADA com meu AMIGO! * me ...
  6. MINHA NAMORADA DISCUTIU COM MEUS AMIGOS ! *ACABOU TUDO ...
  7. TROLLEI MEUS AMIGOS COM LETRAS DE MÚSICA!!! (ADR) - YouTube
  8. TESTEI A FIDELIDADE DA MINHA NAMORADA COM O MEU AMIGO ...
  9. MINHA NAMORADA FICOU SEM ROUPA NA FRENTE DE TODOS ...

ATIVE O SININHO DAS NOTIFICAÇÕES. Canal do igor: https://youtu.be/_yqdagOyvF0 Canal da Japa: https://youtu.be/Shpi_y9fr_0 INSTAGRAM https://www.instagram.com... Outras Animações: http://bit.ly/VideosCanal Camisas Canal: http://bit.ly/CamisasCanal Clique em (mostrar mais) Assista outras Series do Canal: Perdidos: ... CANAL NOVO DA FABIA: https://www.youtube.com/channel/UCOCGiI0FcB0lpfUh2kQ8rBg Email para publicidade: [email protected] DEIXEM SUGESTÕES DE VIDEOS NOS... Trolei meus amigos e minha 'namorada' deixa o like família e se escreva no canal por favor. bora bater 100 k.... INSCREVA-SE: https://www.youtube.com/user/rezendeevil?sub_confirmation=1 MEU CANAL NOVO: https://www.youtube.com/channel/UCiO3RPRhg5blmMsw6YytKCg LIVRO NOVO ... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Se vc curtiu deixa aí nos comentários que eu vou ler tudo s2s2 Instagram: @laisbianchessi Meu site: https://www.loja021.com.br ----- Contato Divulgações, Eventos e Parcerias [email protected] Mandem algo na minha Caixa postal ♥ Caixa Post... INSTAGRAM: https://www.instagram.com/gienliu/ CANAL LIVIA : https://www.youtube.com/channel/UCFHfP1Xk-6Wtv-RAvPSRbNw se inscreva no canal : https://bit.ly/2Q...